Sobre términos...

Quando estamos em um relacionamento sério durante um longo tempo, criamos certas expectativas que, momentaneamente acabam sendo corretas. Infelizmente, quando criamos um vínculo amoroso com alguém por um certo tempo, também criamos a tão mal amada rotina. Acho que é neste exato momento que as expectativas que criamos no inicio começa a balançar.
A partir do momento em que o relacionamento passa a ser rotineiro, acaba desgastando. Mas o pior de tudo não é isso... É saber que se sabe deste fato e não ter controle das proprias atitudes.


Claro, não ha como generalizar. Cada caso é um caso. Mas hoje percebi que não é só comigo que acontece(u). Muitos casais acabam criando expectativas além do que se pode alcançar e, quando um percebe que sonhou alto demais e que o tombo futuro irá machucar, acaba tendo atitudes que refletem diretamente no relacionamento da maneira mais drástica possivel.

Eu sempre disse que o amor vence. E realmente, o amor é a única coisa que pode superar os tombos causados pela decepção. Porém ele faz com que você se levante e mostra que ha muito ainda a ser feito. Ninguém aprende acertando, correto?


Mas a questão é totalmente outra: Não é nada simples. Qual a medida de amor é suficiente para que possa reerguer um relacionamento? Não é errado pensar que amor verdadeiro é especie rara. Mas como diria meu chefe: Se fosse fácil, não teria graça alguma.

O ser humano é, na maioria das vezes, um ser fraco, defeituoso e dependente. É comprovado cientificamente que o homem é um dos únicos que não conseguem viver isolados, sozinhos. É do ser humano ser carente (falo isso com certa propriedade). Mas quando chega o término, independente de ser pelo motivo abordado aqui, o chão cai... o mundo treme. Aquela sensação terrível de solidão faz com que nós, insuficientes, procure apoio... E esta é a parte que é mais difícil, a parte que é mais dolorida...


Seguir em frente é uma das atitudes que mais admiro. Aprendemos com erros do passado e é com 100% de certeza que afirmo que erguer a cabeça e seguir rumando é um ato exemplar. É claro que temos um tempo indeterminado do que eu chamo de "dores internas" que dominam nossos atos, mas passa.

Com meu ultimo termino aprendi que devo parar de ser tão durona comigo mesma. Mas sei que se não agir de tal maneira, poderei perder muito do que ja cativei. O próximo capitulo à todos nós é incerto. Mas é com erros e acertos que vivemos seguindo em frente. Sendo impulsiva às vezes, chorando e fazendo chorar, mas aprendemos...aprendemos...

6 comentários:

subindonosalto.com disse...

Todo fim é difícil, mas também não é bom ver como o final de alguma coisa e sim como o início de outra :D

;*

@viihrs
@SubindoNoSalto
subindonosalto.com

Cristiane disse...

Às vezes achamos que a decisão foi ruim, mas Deus tem sempre o melhor reservado para nós!
Gostei do post
Abraço!

Rhaysnake disse...

Ah essa foto da moça na cama da uma tristeza =(
Mas términos quase sempre são tristes né.

Adorei o blog, to seguindo!
http://apenasrhaysnake.blogspot.com/

Gabi Monteiro disse...

Adorei o texto, espetacular!!!! Concordo com tudo que vc escreveu!!! (Y)

Ro Malet disse...

A gente sempre cresce, com tudo a gente cresce.
A gente vive e aprende.
Começos e fins fazem parte.
E seja eterno enquanto dure.

Beijos

Anônimo disse...

"dores internas" que dominam nossos atos, mas passa passa....

Postar um comentário

Comente com carinho e volte sempre!
Obs: Críticas são bem vindas, mas que sejam construtivas!